quarta-feira, abril 24, 2013

"Cabala Revelada"


Enviado em 10/08/2011
Anthony Kosinec apresenta "o que a Cabala é" e "o que a Cabala não é" nesta visão geral de alguns dos seus conceitos básicos, e a diferença entre a Cabala autêntica e como a Cabala é popularmente vista. Ele fala da perspectiva da "Cabala prática," como ensinada hoje por Rav Michael Laitman, PhD. Essencialmente, este é o processo de como revelar o aspecto escondido da Cabala: os Mundos Superiores—o que está escondido por trás dos nossos cinco sentidos.

Kosinec explica que entender a "linguagem dos ramos" da Cabala é a chave para começar uma aplicação prática da Cabala. Ele também coloca pelo caminho que um mal entendido desta linguagem é a razão pela qual a Cabala tem sido mal interpretada numa miríade de maneiras—como religião, misticismo, magia, e muitas outras—e que a chave para começar a aplicar praticamente a Cabala, é primeiro compreender que a sua linguagem descreve apenas os Mundos Superiores: cinco níveis de consciência completamente removidos de tudo o que recebemos através dos nossos cinco sentidos. Desta base, um pode começar a aprender o que um pode fazer em prol de alcançar estes níveis superiores de consciência. http://www.kabbalah.info
Categoria
Ciência e tecnologia
Licença
Licença padrão do YouTube

terça-feira, abril 23, 2013

ESPIRITISMO - Como identificar a casa espírita idônea


"Pode parecer um contra-senso alguém dizer a uma pessoa que ela precisa verificar se a casa espírita que frequenta é digna de credibilidade. Mas, não é. A experiência demonstra que existem muitos problemas nos centros espíritas, que os frequentadores precisam identificar com precisão para não serem prejudicados por eles.
O Movimento Espírita Brasileiro é um organismo coletivo que apresenta inúmeros desvios doutrinários. E, dentre os centros espíritas que o compõe, não faltam aqueles que de "kardecista" só tem o nome. Falam em nome do codificador do Espiritismo, Allan Kardec, mas desconhecem os princípios fundamentais que norteiam sua obra.
Por uma série de motivos, os centros espíritas no Brasil se formam ao sabor das idéias de seus fundadores, que buscam interpretar o Espiritismo sob sua ótica. E as interpretações variam ao infinito. Não existem diretrizes claras a respeito de como os dirigentes e trabalhadores espíritas devem agir no dia-a-dia das casas. Cada um faz o que bem entende. E, numa situação dessas, é evidente que se encontrará em cada lugar, um modelo diferenciado sobre a interpretação doutrinária, métodos de tratamento, de orientações, ações sociais etc. O resultado é a desorganização e a irracionalidade permeando as práticas.
Os organismos federativos, sob a égide da Federação Espírita Brasileira - FEB, foram criados, em tese, para resolver esses problemas. Mas, nem sempre conseguiram cumprir esse papel. Em alguns Estados do país as federações espíritas são atuantes, interagem com os centros. Em outros, tornou-se objeto de ocupação por grupos de indivíduos de mentalidade retrógrada, cuja maior preocupação é a de manterem-se em seus cargos diretivos de poder.
O espírita que pretende dedicar-se verdadeiramente à sua convicção, vivenciando os ensinos de Jesus e Allan Kardec, precisa cuidar-se para não se envolver com pessoas ou grupos assistidos por Espíritos pseudo-sábios e galhofeiros. O Espiritismo é uma doutrina libertadora e faz um bem enorme a quem se coloca sob sua orientação. Porém, quando mal praticado, é fonte de intensas perturbações do organismo psíquico, de fanatismos e idolatrias. Abaixo, estaremos citando alguns cuidados que se deve ter para identificar uma casa espírita séria ou grupo que se possa freqüentar com segurança.
A palavra "Espiritismo" A palavra 'Espiritismo' foi criada por Allan Kardec para designar a Doutrina Espírita. No meio religioso convencional, os pastores e padres colocam como adeptos do 'espiritismo', as pessoas que 'mexem' com os Espíritos. Para eles os seguidores do Candomblé, da Umbanda, os ledores de sorte, de tarô etc, são todos praticantes do Espiritismo. Isso, evidentemente, não é verdade. Nós, espíritas, temos o dever de procurar esclarecer esse ponto de vista, sempre que a confusão se estabelecer. Mas, como o termo já está introjetado na linguagem popular, é aconselhável que se diga 'Doutrina Espírita' em lugar de 'Espiritismo', quando a ocasião exigir. É necessário ter em mente os princípios básicos doutrinários para que se tenha condições de prestar esclarecimentos. São eles: a crença em Deus como princípio criativo, a existência do Espírito e sua imortalidade, a reencarnação, a lei de causa e efeito, a influência do mundo invisível sobre o visível, a comunicação entre esses dois mundos e a evolução moral e intelectual progressivas.
Espiritismo e Umbanda É muito comum se encontrar casas com denominação de "espíritas" que dizem trabalhar com o Espiritismo e com a Umbanda ao mesmo tempo. É importante definirmos o que é uma coisa e outra. Espiritismo é a doutrina que nos foi deixada por Allan Kardec, como a mensagem do Consolador Prometido. A Umbanda é um culto com identidade própria e suas práticas, embora tenha alguns pontos em comum com o Espiritismo, de modo geral são antagônicas. Portanto, não se pode ser umbandista e espírita ao mesmo tempo.
A Umbanda tem público e finalidade apropriados. Suas práticas são voltadas a rituais e procedimentos que nada tem a ver com a Doutrina Espírita. Mais grave ainda são as casas que em alguns dias trabalham com o Espiritismo e em outros com a Umbanda. Não se deve servir a dois Senhores. Portanto, o frequentador deve escolher seus caminhos. Não é aconselhável inclusive que se trabalhe em duas casas espíritas simultaneamente. Imagine a confusão espiritual que se forma quando se participa de dois cultos que não possuem afinidade entre si. Isso tem sido fonte de desequilíbrio para a vida de pessoas pouco esclarecidas quanto a esse aspecto. 
Existe, ainda, as casas que se dizem espíritas, mas que realizam práticas provenientes da Umbanda, como reuniões mediúnicas com público presente, consultas com guias (que sempre têm nomes venerados como Bezerra de Menezes, por exemplo), médiuns em lugar de destaque na casa, passes com passistas "incorporados" etc. Isso se dá pelo total desconhecimento dos dirigentes do que seja a Doutrina Espírita. Instruem-se, muitas vezes, vendo os outros fazerem ou em leituras superficiais de livros da literatura acessória.
Desenvolver Mediunidade É muito comum a uma pessoa que chega na casa espírita com problemas pessoais, receber a orientação de um dirigente ou médium, dizendo que ela precisa 'desenvolver' a mediunidade. Afirmam, que a faculdade mediúnica é a fonte das suas dificuldades e que se não praticá-la jamais encontrará seu equilíbrio. Essa idéia popularesca, nada tem a ver com as orientações de Allan Kardec. Nasceu nos terreiros primitivos de mediunismo, e veio parar nos centros ou grupos espíritas por falta de orientação doutrinária adequada.
Todos os seres vivos têm a mediunidade natural, sensibilidade necessária ao processo evolutivo dos Espíritos, mas nem sempre necessitam desenvolver seus dons espirituais. Só o devem fazer, aquelas pessoas que são dotadas de mediunidade ostensiva, ou seja, portadoras de mediunato. E mesmo assim, após dedicação ao trabalho e ao estudo da Doutrina Espírita.
Ninguém tem o poder de saber se alguém é médium ostensivo ou não. A única forma de se reconhecer o dom da mediunidade é fazendo experiências. E, de preferência, numa casa espírita bem orientada. Primeiro, caso esteja perturbado, o interessado passará por um tratamento espiritual. Depois, receberá instruções teóricas básicas, freqüentando os cursos doutrinários. Mais tarde, quando já estiver familiarizado com o Espiritismo e com o grupo no qual se integrou, visitará as sessões práticas para experimentar. Mas, fará isso por vontade própria. Ninguém é obrigado a desenvolver a mediunidade. Quem o faz por 'obrigação' já estabelece um entrave para produzir no campo do Bem.
A maioria das pessoas que chegam na casa espírita 'sentindo coisas', está sendo vítima de obsessões e desajustes pessoais. Primeiro, precisa de um tratamento sério, destinado a restabelecer seu equilíbrio psíquico e emocional. Depois, caso queira, poderá ingressar nas fileiras de trabalho com Jesus, candidatando-se ao quadro de trabalhadores da sociedade espírita. Portanto, uma casa espírita que coloca pessoas recém-chegadas à casa para participar das reuniões de intercâmbio espiritual por ser classificada como médium, está sem a segura orientação kardequiana.
O Salão de Palestras Para se conhecer uma casa espírita idônea é importante que se preste atenção na sala de palestras. Se o centro espírita que você está visitando tem o hábito de colocar quadros ou imagens no salão destinados às exposições, possivelmente o ambiente é carente de orientação doutrinária correta. Certamente é costume que vem do catolicismo e se está apenas substituindo as imagens por quadros de personalidades ou Espíritos que são admirados pelo grupo. Um outro hábito não pouco comum, é o costume de se fazer a abertura dos trabalhos públicos de esclarecimento valendo-se de músicas e cantorias. Cânticos enaltecendo a Virgem Maria e até mesmo Allan Kardec são freqüentes. A casa espírita é um ambiente semelhante a uma escola e não tem sentido agir dentro das suas dependências como numa igreja.
Instituições que fecham suas portas nas sessões públicas, que promovem manifestações de Espíritos com público presente, que desenvolvem trabalhos públicos de 'desenvolvimento das potencialidades mediúnicas', que são dirigidas pelo 'guia da casa', que exigem que todos se levantem na hora da abertura são casas assistidas por Espíritos pouco adiantados, que ainda se encontram, no mundo espiritual, presos às suas convicções religiosas. E o que é pior, passam-se por Espíritos elevados e os dirigentes sequer desconfiam por não desconhecem o básico das orientações kardequianas, no que diz respeito à identidades dos Espíritos. Nesses ambientes, dificilmente se poderá conseguir ajuda no tratamento de obsessões graves e mesmo orientações suficientes para se corrigir posturas morais inadequadas.
A Sala de Passes Para identificar uma boa casa espírita, também é importante prestar atenção naquilo que se passa dentro da sala de passes. Primeiro, esteja atento nas atitudes dos passistas. Se o médium que está transmitindo o passe estiver "incorporado" por um Espírito, certamente não possui orientação doutrinária adequada. O trabalhador espírita não precisa desse recurso para dar passes. Seu guia espiritual pode assisti-lo, sem que seja necessário manifestar-se ostensivamente. Em casa espírita com boa instrução kardequiana, não se vê esse tipo de procedimento.
Outro costume estranho ao trabalho espírita, é o médium dar conselhos às pessoas que estão recebendo passes, quando supostamente vêem ou sentem esta ou aquela coisa. Isso cria uma aura de importância pessoal em torno do passista, inadequada ao equilíbrio do trabalho com Jesus. A sala de passes não é o ambiente apropriado para se ministrar orientações individuais.
Os ensinamentos são dados principalmente na sala de palestras e as conversas particulares devem acontecer nas salas de entrevistas. A sala de passes é um lugar com um papel fundamental: oferecer energias que vão restabelecer o equilíbrio fluídico dos enfermos e necessitados.
Para ministrar o passe, o médium não necessita tocar nas pessoas que vão receber as energias. Também não é necessário que o médium estale os dedos, que fungue como se estivesse tendo uma síncope respiratória ou que faça movimentos exagerados com o corpo para a magnetização. O passe deve ser administrado de forma simples, com preces e imposição de mãos, deixando de lado as técnicas mirabolantes que não possuam fundamentação doutrinária.
Os chamados "passes anímicos" também são uma incoerência, uma vez que na casa espírita, mormente neste trabalho de fluidoterapia, estamos sempre secundados pelos Espíritos amigos. Os passes com cores (cromoterapia), encontrados em muitas casas espíritas, também devem ser vistos com cautela, afinal a cromoterapia nada tem a ver com a Doutrina Espírita.
É bom observar se os passistas têm roupas especiais, como vestir-se de branco por exemplo, ou se ficam descalços para trabalhar. Isso é desnecessário. Veja se é mantida uma certa disciplina na sala ou se existem os tais "passistas especiais" cujos passes duram uma eternidade, atraindo filas quilométricas para eles. Ambientes onde se estudam as obras do Codificador, não se coadunam com tais coisas.
A Reunião Pública Um ponto muito importante a ser observado no reconhecimento de uma boa casa espírita é a forma como é estruturado o trabalho de esclarecimento ao público. Certamente que todos são livres para desenvolver essa tarefa da forma que acharem mais conveniente, mas deixaremos aqui nossa opinião, baseada no objetivo maior do centro espírita que é fazer despertar o homem novo.
A reunião de esclarecimento destinada ao público em geral que freqüenta a casa espírita, deve ter uma característica diferente das que são realizadas para estudos com os trabalhadores. Isto nos parece claro, uma vez que a população destes dois grupos é completamente diferente. Enquanto estes últimos já estão em busca do entendimento da Doutrina Espírita propriamente dita, através do estudo, os primeiros necessitam de conforto e esclarecimento básico das coisas espirituais, com raras exceções.
A maioria das pessoas que procuram o centro espírita, o faz porque é portadora de problemas os mais diversos. Busca encontrar ali o conforto, o amparo e respostas para suas perguntas. Carece de orientação evangélica, à luz do Espiritismo, e esse deve ser o papel da instrução dada nas reuniões públicas. Primeiro somos evangelizados para depois entrarmos no entendimento do pensamento kardequiano. Jamais entenderemos Allan Kardec, sem conhecermos os fundamentos dos ensinamentos de Jesus.
O trabalho de explanação da palavra divina ao povo é a mais grave tarefa da casa espírita e deve ser realizada por aqueles que têm um mínimo amadurecimento espiritual, conhecimento evangélico e doutrinário, além de conduta moral sadia como força de exemplificação.
A mensagem deixada deve despertar na criatura que a ouve o gosto pelas coisas espirituais, caso contrário será trabalho vão. Deve ser simples e objetiva, sem preocupações maiores com a forma, passando de maneira adequada os ensinamentos de Jesus à luz da Doutrina Espírita. Precisa encaminhar sempre o indivíduo à reflexão, ao conhecimento de si mesmo, única forma de motivar mudanças de posturas.
Palestras com temas doutrinários complexos, ou aquelas onde predominam as historinhas dos livros psicografados, ou ainda as que são permeadas pelos exemplos pessoais de quem fala deveriam ser deixadas de lado, pois são carentes do essencial que mobiliza a criatura para a busca do conhecimento. A palavra precisa ser clara, simples e objetiva para atingir os simples de coração, conforme ensina Jesus.
Corpo de trabalhadores
A casa espírita necessita ter um copo de trabalhadores definido para desempenhar as tarefas de uma atividade tão grave como essa. Pessoas que sejam preparadas dentro de um espírito de servir e não o de ser servido. Casas que não se preocupam com essa importante orientação de Allan Kardec, que, a pretexto da caridade, colocam as pessoas para trabalhar sem o menor preparo, apenas baseado na boa vontade do indivíduo que chega na casa "querendo trabalhar", são vítimas freqüentes da desorganização, dos melindres e inúmeros problemas advindos do orgulho e vaidade dos membros.
Assistência Social
Toda casa espírita adequadamente orientada deve ter atividades de amparo aos mais necessitados. Sopa, creches, orfanatos, asilos, farmácias, visitas aos hospitais, presídios etc. Entretanto, esta não deve e nem pode ser a coisa mais importante, o carro chefe da casa. O que deve preponderar é o ensino, pois só através do ensino a criatura sentirá a necessidade verdadeira de servir ao seu irmão. A atividade de caridade deve ser uma conseqüência do esclarecimento e não ser realizado com a idéia de que as obras boas fazem o homem bom. Na verdade é o homem bom que faz as boas obras, ou seja, o homem reformado faz obras sem preocupação de estar angariando um lugar no céu (no caso dos espíritas, fora do umbral). Essa postura é um equívoco e mais uma vez é fruto do espírito católico que contaminou o movimento com suas idéias seculares de promessas e mercadejamento das coisas de Deus."

segunda-feira, abril 22, 2013

Como Viver a Sabedoria?

Publicado em 20/08/2012 Esta palestra foi ministrada pelo diretor da Nova Acrópole Brasíl, prof. Luis Carlos Marques, e filmada ao vivo. Assista os outros vídeos que temos disponíveis em nosso canal. Nova Acrópole é uma escola internacional de filosofia à maneira clássica, ou seja, filosofia prática, que faz uma ponte entre a teoria e a vida cotidiana. Acesse nosso site, descubra a filial mais próxima de você e participe de uma de nossas atividades! www.acropole.org.br Dúvidas ou comentários? Escreva para brasilia@acropole.org.br

domingo, abril 14, 2013

O Enigma Da Vinci

Publicado em 18/04/2012
Esta palestra foi ministrada pelo diretor da Nova Acrópole Brasíl, prof. Luis Carlos Marques, e filmada ao vivo. Assista os outros vídeos que temos disponíveis em nosso canal.

Nova Acrópole é uma escola internacional de filosofia à maneira clássica, ou seja, filosofia prática, que faz uma ponte entre a teoria e a vida cotidiana.
Acesse nosso site, descubra a filial mais próxima de você e participe de uma de nossas atividades!
www.acropole.org.br
Categoria
Sem fins lucrativos/ativismo
Licença

sábado, abril 13, 2013

RAMAYANA - THE EPIC


Trecho da Carta-Testamento de Ravana, após derrotado por Rama:

"Senhor Narayana, és a testemunha; fazes a Lua caminhar em resplendor e as estrelas se desvanecerem à luz do dia. 
    
Querido Rama, Senhor dos Mundos...pensa e recorda que prometeste a Indra matar-me para sempre... nada é para sempre, senão tu mesmo. Se não morresse por tua mão, de que outra maneira poderia eu fazer para me aceitares em teu próprio Eu?

Eu era apenas um rakshasa, e tu eras muito difícil de abordar. Entretanto, buscando a sabedoria, aprendi muita coisa. Não sabes de novo quem és. Eu o soube durante todo o tempo, mas mesmo assim não o sabes. Nada que fazes se malogra, basta um olhar dos teus olhos para que o povo torne a cantar as boas e velhas canções.

Não pedi proteção contra os homens. Vais a toda a parte e conheces todas as coisas que já foram feitas ou que o serão um dia. Por que fui tão descuidado? Eu não era descuidado em parte alguma! Óh Narayana, olha, eu olhei, maravilhei-me...Os Homens são minas, os homens são minas preciosas. Ó Rama, julgaste que o escuro era mau?

Vês tudo o que acontece e amparas todas as criaturas. Vi que o céu era impermanente, e que o próprio Inferno não perdurava. Descobri que o tempo de cada existência é apenas um dia cheio, e vi que todas as criaturas, separadas de ti, de quando em quando, renascem, sempre mudando. Não gosto das coisas que vêm e vão, e passam com o Tempo, e odeio o próprio Tempo. Adverti-o, quando nos encontramos pela primeira vez, que eu o tomava por inimigo, eu mesmo lhe disse isso.

Oh tu, que és o melhor dos homens, existem muitas espécies de Amor, e nunca as feri. Vali-me de Lakshmi a fim de atrair-te para cá. Ofereci-te minha vida, e tu a aceitaste.

És Narayana que se move sobre as águas. Fluis através de todos nós. És Rama e Sita nascida da Terra, e Ravana, o Rei dos Demônios; és Hanuman como o Vento, és Lakshamana como o espelho, és Indrajit e Indra, és o Poeta e os Atores e a Peça. E, nascido como homem, tu te esqueces disso, perdes a memória e enfrentas de novo a ignorância do homem, como a enfrentarás sempre.

Portanto, acolhe de volta, com amor, a tua Sita. A guerra acabou, e assim, fechamos a nossa carta."

Embora a carta como um todo seja de uma beleza que dispensa qualquer comentário, lembrar de alguns detalhes da obra ajuda a entendê-la. Ravana obteve de Brahma, como pedido, após 10.000 anos de ascetismo, não poder ser morto por Deuses ou Demônios, mas “se esqueceu” dos homens, o que foi considerado “um descuido”. Aqui, ele mostra claramente que não se esqueceu de nada. Deslumbrou-se com os homens, “minas preciosas”, e deu a eles a oportunidade da batalha, para que pudessem domar esse lado “diabólico”, destruidor, incorporando-o em seu próprio Eu. Por isso, rapta a princesa Sita, atraindo Rama para a batalha de seu resgate, que é também o resgate de si mesmo. Ravana reitera, na carta, que não poderia ser morto para sempre, pois “nada é para sempre, senão tu mesmo” . o aspecto divino que reside adormecido no ser humano. Ou seja, a batalha jamais cessa, e se renova a cada homem. 
(Contribuição: Prof. Lúcia Helena Galvão)

O Clássico Indiano RAMAYANA


Publicado em 02/03/2012
Esta palestra foi ministrada pela diretora da Nova Acrópole Brasília, profª. Lúcia Helena Galvão, e filmada ao vivo. Assista os outros vídeos que temos disponíveis em nosso canal.

Nova Acrópole é uma escola internacional de filosofia à maneira clássica, ou seja, filosofia prática, que faz uma ponte entre a teoria e a vida cotidiana.
Acesse nosso site, descubra a sede mais próxima de você e participe de uma de nossas atividades!

www.acropole.org.br
Dúvidas ou comentários? Escreva para brasilia@acropole.org.b

DESINTOXICANDO-SE DAS EMOÇÕES VENENOSAS


O psicólogo Marco Aurélio Bilibio fala sobre a função psicológica das emoções e seu papel na auto-realização e no adoecimento psíquico. Emoções dão colorido à vida, mas tornam-se tóxicas quando se transformam em feridas afetivas de que não sabemos mais nos libertar. Emoções tóxicas estão na raiz de vidas insatisfatórias e de pouca realização. Quando se tornam epidemias sociais levam à desorganização familiar e comunitária. Na vida profissional podem gerar prejuízos grandes à carreira, levando à relações conflitivas e desmotivação. Além da compreensão da dinâmica emocional, Marco Aurélio focaliza também atitudes e posturas que podemos aprender para nos desintoxicarmos dessas fixações e recobrarmos o fluxo natural de emoções nutritivas, tanto na vida pessoal como na profissional.

terça-feira, abril 09, 2013

O Dhammapada O Caminho da Doutrina de Buda

Dhamma Pad A by verinhars

TAO TE CHING O Livro do Caminho e da Virtude - Lao Tse

Tao by verinhars

Dias de Grande Paz

Dias de Grande Paz by Percy Harrison Fawcett

Caminhos para a Auto-Realização (Palestra Completa)

Publicado em 11/07/2012 Palestra ministrada pelo teósofo e físico Fernando Gramaccini, no programa Em Busca do Autoconhecimento, que passa na TV Supren. Tema: Os Caminhos Diretos para a Auto-Realização. O palestrante aborda e cita alguns métodos e meios para se chegar a auto-realização. Faz também um exame do que seria essa auto-realização. Faz reflexões embasadas em outros pensadores como Krishnamurti e outros pensadores orientais e teosóficos. E enfim, faz uma importante análise e reflexão de todas essas questões relacionadas a auto-realização. TV Supren: http://www.uniaoplanetaria.org.br/tvs... Sociedade Teosófica: http://www.sociedadeteosofica.org.br/ Categoria Sem fins lucrativos/ativismo Licença Licença padrão do YouTube

Viveka-Chudamani A Jóia Suprema do Discernimento Shankara

viveka-chudamani-shankara by lotusazul

Como Lidar com a Solidão

Publicado em 19/03/2012 Esta palestra foi ministrada pela diretora da Nova Acrópole Brasília, profª. Lúcia Helena Galvão, e filmada ao vivo. Assista os outros vídeos que temos disponíveis em nosso canal. Nova Acrópole é uma escola internacional de filosofia à maneira clássica, ou seja, filosofia prática, que faz uma ponte entre a teoria e a vida cotidiana. Acesse nosso site, descubra a filial mais próxima de você e participe de uma de nossas atividades! www.acropole.org.br Categoria Sem fins lucrativos/ativismo Licença Licença padrão do YouTube

Como Viver a Sabedoria?